Nossa História

 

O  Centro  Vivencial  para  Pessoas  Idosas,

situado  em  Florianópolis – SC,  é   obra   da   Igreja

Metodista   como   seu    braço     social,    fruto     da

união  de   pessoas  preocupadas com  a  assistência

à   pessoa    idosa,   que   através    da    criação     da  

Associação    Metodista   de   Ação   Social – AMAS,

deram vida à instituição CVPI.

A Igreja Metodista instalou-se no Brasil em 1866, 128 anos após a eclosão do movimento Metodista na Inglaterra em 1738 no dia 24 de maio, fruto da experiência radical que John Wesley experimentou em sua vida espiritual, o imorredouro evento do coração aquecido, confirmação divina ao perdão dos pecados dele e do amor de Deus.

A partir dessa experiência, John Wesley é desafiado a desenvolver trabalho por um mundo melhor, ajudando as pessoas, inicialmente na Inglaterra, a conhecerem o amor de Deus, através da Bíblia que é o nosso livro de “regra de fé e prática” como afirmava. Os metodistas, trazem no bojo da história da experiência espiritual, larga prática de vida devocional, a exemplo de Wesley e o Clube Santo em Oxford na Inglaterra da época.

O metodismo chegou ao Brasil, oriundo dos Estados Unidos, trazido por missionários que não só se dedicavam à propagação do Evangelho, mas também construíram obras de cunho social e assistencial.

A AMAS surgiu, quando em 1975, um grupo de senhoras, lideradas pela Sra ELZA GAMA DEÇA, tiveram o sonho de implementar um lar para pessoas da terceira idade. Propuseram o plano ao então Bispo da 6ª Região Eclesiástica da Igreja Metodista, localizada em Curitiba, Bispo Wilbur Smith, que aceitou o desafio.

Teve início o movimento para a construção do “Lar para Velhos”, que à época, teve a adesão do casal OLGA DA LUZ ROSA e JOÃO TEIXEIRA DA ROSA, doadores da área onde hoje se situa o prédio do Centro Vivencial para Pessoas Idosas, compartilhada em áreas independentes com a AEBAS.

Lançado o desafio da construção foram chamados o casal William Richard Schisler Filho e Edith Long Schisler. Ele, pastor missionário da 3.ª Região no RS, na cidade de Santa Maria, pais de quatro adolescentes Kennedy, Suzana, Débora e Millard.

Aqui chegados em 1976, coube ao pastor William Richard Schisler Filho,  a missão e incumbência de implantar a Igreja Metodista em Florianópolis e  construir  o "Lar para Velhos",   que então  passou  a  chamar-se Centro Vivencial para Pessoas Idosas - CVPI.

Quis a providência divina que ele e a família fossem morar no Estreito, à rua Mattos Areias, onde passou a funcionar precariamente a igreja que aos domingos, transformava a sala de visitas da residência em templo, cujo inicio oficial dos trabalhos deu-se em 02 de março de 1976.

Não demorou muito e o espírito empreendedor do saudoso e querido "Dico", como era conhecido na intimidade o pastor William Schisler, teve início a construção da Igreja Metodista do Estreito, em terreno doado pelo então Prefeito Espiridião Amim, e dois anos depois, em 02 de maio de 1982 era inaugurado o templo, que provisoriamente funcionava no salão social. Quase ao mesmo tempo, com recursos financeiros de pessoas que se doaram também, começaram a ser levantadas as paredes do CVPI, fruto de um projeto ousado para a época, embasado no que havia de melhor para o atendimento da terceira idade em outros países mais adiantados.

Foram anos de trabalho árduo, compartilhados com viagens de avaliação do trabalho ministerial do Reverendo William Schisler nos Estados Unidos de onde advinham também recursos para a consecução das obras. Paralelamente às atividades desenvolvidas em Florianópolis, o pastor "Dico" ainda viajava para as cidades de Joinville e Balneário Camboriú, onde logo em seguida foram implantados campos missionários naquelas cidades.

Finalmente  em   07  de  março  de  1987,

onze  anos   após    a   chegada   da   família 

Schisler a  Florianópolis, era  inaugurado o

Centro Vivencial para Pessoas Idosas.

Mas o espírito empreendedor do saudoso pastor não parou por aí. Lança-se ele, imediatamente, à implantação da Igreja Metodista no Itacorubi, no campus do CVPI, cujo prédio foi concluído depois, fruto do projeto da Eletrosul e em 21 de setembro de 1996 era inaugurado oficialmente o templo da Igreja Metodista no Itacorubi, que até então vinha funcionando no refeitorio do CVPI

1/6